Tuesday, July 12, 2011

Viva a República… a portuguesa

Acho imensa piada aos senhores e senhoras de pele castanha, clara e escura, que acham giríssimo o uso da língua cabo-verdiana aka crioulo nos voos, cada vez mais irritantes, dos TACV, juntamente com a língua portuguesa e inglesa, porém, são contra a sua oficialização em paridade com a língua da metrópole. De certeza, muitos desses iluminados, estão a assistir o colóquio sobre a colónia republicana modelo no Mindelo. Nada contra… viva a República.

Saturday, July 9, 2011

Merkanus ki fla gosi...

Em Janeiro de 2008 numa das salas de conferência da Universidade Nova de Lisboa disse isto (observadas no terreno no decorrer de um estudo académico sobre crianças em situação de rua na cidade da Praia), mais concretamente a questão do abuso e impunidade policial e a violência física, verbal e simbólica contra as crianças (ditas crianças de rua). Fui acusado de estar a dar uma má imagem de Cabo Verde. Um tal de César Augusto Monteiro ofendeu-se por ter dito que existe uma cultura de violência em Cabo Verde, mas, não esperou a resposta. Uma Angolana saiu ao ataque a dizer que desta forma só poderá concluir que não existe estado de direito em Cabo Verde. Só que ela esqueceu que o moralista dos direitos humanos tem lá dentro uma coisa chamada Guantánamo. Se calhar, pensaram que eu fosse algum boy da Direcção não sei quê do Turismo. Gente sensível esse.

Wednesday, July 6, 2011

Racismo, xenofobia, morabeza e afins

Estou de acordo que a morabeza cabo-verdiana é pura retórica (só serve para alguns) e que existe racismo e xenofobia em Cabo Verde, mas não só contra os africanos. Também contra os brancos. Aliás, só quem nunca frequentou a mesa dos cabo-verdianos nas cantinas universitárias portuguesas desconhece a atitude racista cabo-verdiana (há quem diga uma reacção normal devido às traumas coloniais reproduzidas pelos mais velhos). Nos últimos anos, com a descoberta do el dorado quase verde, atitudes do tipo por parte dos estrangeiros para com os nativos crioulos tem sido usual e muitas vezes relatadas na comunicação social. O racismo é um defeito humano e ponto.

Devo dizer que considero este artigo um excelente exercício de reflexão, mas exagerado no palavreado (fruto, em parte, dos devaneios narcisista e da escola umbiguista reinante por estas paragens). O exemplo do casamento misto é infeliz porque é comummente sabido (e está patente em muitos trabalhos científicos) que a crioula desde sempre imaginou o branco como a ponte de fuga para uma vida, supostamente, de abundância. O imigrante africano não dá essa garantia, por razões ligadas à sua situação social. Vivemos hoje, felizmente ou infelizmente, numa sociedade mercantilizada. Com isso não quero dizer que não há casos de mulheres que rejeitam casar com negros africanos por estes serem negros do continente (há uma reprodução geracional nesse sentido em certas regiões do arquipélago). Convém não tratar esse indicador como basilar num contexto pobre e desigual como o nosso. No norte esse argumento poderá ter um peso significativo. Aqui não. Há indicadores mais concludentes.

No entanto, concordo com muita coisa dita e a pertinência do mesmo. O cabo-verdiano é racista e xenófobo. É, sempre foi e continuará a ser. Em Portugal, muitos emigrantes cabo-verdianos bem integrados e alguns estudantes universitários das ilhas são tão ou mais racistas e preconceituosos para com os emigrantes e seus descendentes das baracas que os portugueses. Falta apenas rematar que em Cabo Verde o negro africano endinheirado é logo considerado um traficante de droga e um branco na mesma situação social, mesmo tendo chegado à república atlântica de bolsos vazios, é considerado um empreendedor honesto. A isso chamo cegueira rácica.

Tuesday, July 5, 2011

My Playlist (13) Aaliyah

Ver clip More Than A Woman aqui e info aqui.

Loose Change 9/11: An American Coup

Gosto destes tipos de documentários (a.k.a. teorias de conspiração) por nos fazer pensar e questionar certas verdades institucionalizadas. Parte-se da história (iniciando com o ataque dos nazistas ao Reichstag em 27/02/33) para mostrar como o poder económico tem usado o poder político americano para a construção da sua agenda. Dylan Avery utiliza relatórios oficiais sobre o acontecimento suportados por testemunhos de especialistas e sobreviventes, tentando provar que o ataque às torres gémeas do World Trade Center e o colapso do Edifício 7, bem como o ataque ao Pentágono (nunca se encontrou restos do suposto avião) e a queda do voo 93 da United Airlines na Pensilvânia foi serviço interno. Ou seja, foi uma falsa operação patriótica para angariar fundos para um novo tipo de imperialismo dos Estados Unidos junto à elite global.

Monday, July 4, 2011

No tal país exemplo... e especial

O grande vitorioso na eleição de domingo próximo será a mentira e a manipulação. Os farsantes? Mudam-se os actores, não o cenário. Nada que já não assistimos no passado. Só que agora em alta definição. Democracia? Só se for em sonho. O que está em jogo? Ter amigos no poleiro que nos tornem ainda mais ricos. Uns dizem ter filmado outros numa suposta política suja e estes outros explicam o acontecido poucas horas depois com um vídeo nôs tudu e familia. Neste outro vídeo os vilões são os outros. E os tolos vão atrás dos dois. Conforme a catequese frequentada. Depois querem que deixe a playstation e vá votar. Em quem? UCID, PTS ou PSD. A moral é: abstenção é contra a cidadania. E depois? Aqueles que governaram o país nos últimos anos e os seus amigos empresários sabem o que é isso? Os oportunistas candidatos a milionários sabem o que é isso? Uma coisa é certa: os nossos políticos e seus aspirantes leram Maquiavel.

Adenda: tirem as vossas próprias conclusões, mas esqueçam os ensinamentos da catequese partidária. Vídeo acusatório do PAICV aqui e vídeo defensivo do MDP aqui.

Friday, July 1, 2011

Porque é domingo... e chato

O Benfica de Portugal venceu (aleluia) o campeonato nacional luso e por aqui parece que a selecção nacional foi campeão mundial (rastilhos da violência simbólica colonial diria o antropólogo americano Derek Pardue). Hoje muitos filhos irão se gerar e amanhã a dor de cabeça da ressaca será uma dura realidade. Soube que Cavaco Silva virá visitar as ilhas da morabeza em junho (julgo eu) e de certeza terá uma recepção de Rei. As Universidades nacionais foram discutidas na quinta e sexta-feira, mas no relatório oficial não aparecerá a qualidade de merda que elas são. Mas temos tempo para construir coisas melhores (sem essa de querermos avançar com mestrados e doutorados com a base que todos conhecemos) e não ir na conversa do reverendo, cada vez mais palerma, e a sua ideia de ensino universitário à distância. Os blogues tugas divertem-se com a visita do Papa alemão à tugalândia e lembro-me do dia em que o outro Papa, o polaco, visitou Praia. Era uma criança... e ingénuo (para muitos ainda estou nesse estádio). Na Grécia, a revolta continua e o famoso Al Binda pergunta-me porque não emigro para Líbia ou Guiné-Bissau. Antes Afeganistão, Iraque ou Conchinchina caro intelectual-mor virtual. E a vida continua... ouvindo Stripped dos Depeche Mode (aqui).

My Playlist (32) Aerosmith

Ver vídeo Cryin' aqui e I Don't Want To Miss A Thing ao vivo aqui. Info aqui.

Falemos então de coisas sérias…

Pode até ser inconsequente da minha parte vir falar do ensino superior cabo-verdiano, mas depois das “doideras” do nosso querido premier (por favor, chamem o Manuel Faustino) em relação à qualidade do ensino secundário (talvez o do Liceu Amílcar Cabral da Assomada) apeteceu teclar umas idiotices. Pena o gajo não ter imitado o ministro Tavares e não ter dito que apenas temos liceus topos de gama tal como disse um dia aquela senhora Duarte que saiu tal como entrou… discreta. Bem, agora temos como ministra dos Liceus extensão Universidades uma tal de… não lembro o nome. Aquela que disse que ao investigador basta um papel e uma caneta. Ela lá sabe…

O Dono, o ex-profeta, e actual biógrafo da desorientação papal do nosso Zema facebookiano, elogia os mais novos licenciados do ISCJS e pede a Deus que os ajude. Pois, bem precisam das mãos divinas do senhor dos Céus, porém, por ter passado por lá, entende-se pela turma dos finalistas do curso de Serviço Social do ISCJS, prefiro não tecer qualquer consideração. Enfim…

Ensino superior cabo-verdiano… cada vez que vou a uma Universidade a sério, entende-se fora de Cabo Verde, ou participo numa reunião científica com investigadores a sério, entende-se investigadores que não confundem investigação com consultoria, dou conta que andamos a brincar com coisas sérias. Não estou numa de dizer que anda tudo mal, contudo, pelo que vejo e ouço, caminhamos para o abismo. Se os alunos têm graves deficiências trazidas do ensino secundário, a mentalidade liceal da esmagadora maioria dos promotores da coisa nas ilhas faz com que essas deficiências se agravem.

Muitos Doutores da asneira “asneirando” todos os dias é o que encontramos no espaço universitário cabo-verdiano. Pronto, já disse... neste país, brinca-se com coisas sérias… brinca-se a universidades. Experiência investigativa da esmagadora maioria dos nossos docentes universitários: uma tese de licenciatura, mestrado ou doutoramento. A tese da Escola de Chicago sobre quem deve ser professor universitário mostra que estamos longe de lá chegar, a não ser na mente, cada vez mais, demente do reverendo. No dia em que os loiros de olhos azuis deixarem de privilegiar o método comparativo (as comparações com realidades oeste african0) e optarem pelo método de contrastes, damos conta do caminho negro que nos têm levado. Se as coisas continuarem assim, tenho pena desta Ilha-nação daqui a uns 20 anos. Os amigos que me chamam de ultra-realista, dizem que já daqui a uns 5 anos teremos a consequência da má governação do país pelo PAICV e MPD. E o pessimista sou eu…